A Secretaria Municipal de Educação, com muito orgulho, convidou uma bresciense, apaixonada pela Educação, para compartilhar conhecimento com os professores da rede municipal de Nova Bréscia. Segue, abaixo, um pouco da história desta convidada.

          Rosângela Maria Garcia, nascida aos 13 de abril de 1968, viveu sua infância em Nova Bréscia. Cursou o Ensino Fundamental e Médio no Colégio Estadual Sagrado Coração de Jesus, administrado pela Congregação de Irmãs Carlistas. “Naquela época a educação objetivava formar educandos que aprendessem a valorizar o esporte, o trabalho, a organização, bem como o desenvolvimento de valores como a amizade, o respeito, a cooperação e a solidariedade. Por intermédio da escola os alunos eram estimulados a participar da vida comunitária, desde a participação nas celebrações religiosas, fazendo parte do coral da Igreja, da liturgia, de novenas, de eventos sociais e intermunicipais.” Rosângela lembra com carinho de sua primeira professora, Iracema Viecelli e das tantas queridas mestras com as quais teve a oportunidade de aprender.A escolha pelo Magistério desenvolveu-se desde a mais tenra idade, observando sua mãe, professora Ângela Agostini Garcia, sempre envolvida na área da Educação. O exemplo da mãe reforçou sua opção pelo Curso realizado no UniRitter: Pedagogia com Habilitação em Séries Iniciais do Ensino Fundamental e Supervisão Escolar. Os estudos ao longo do Curso de Pedagogia buscaram referendar a interdisciplinaridade, as questões de ética e valores, a aprendizagem significativa e dificuldades de aprendizagem. Seu trabalho é fundamentado na pedagogia de projetos, vislumbrando uma prática educativa capaz de relacionar a teoria e a prática, fomentando a postura do professor-pesquisador.

         Casou-se aos 17 anos de idade com Roque Cristofoli. Teve dois filhos: Aline, atualmente com 26 anos, formada em Design de Moda e Rafael, 24 anos, cursando Engenharia Mecânica. Em certa etapa da vida teve que desistir de estudar, em função do trabalho e dos filhos pequenos. No entanto, após os 30 anos, retorna à vida acadêmica, concluindo a Graduação, o mestrado e dois cursos de pós-graduação.  “A partir do trabalho com crianças carentes e com dificuldades de aprendizagem apresentadas por elas, houve a necessidade de conhecer e buscar  estratégias educativas para favorecer o processo de ensino-aprendizagem.”

          A necessidade do momento fê-la ampliar seus estudos:  Mestrado em Educação pela PUCRS, Pós-Graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional e Pós- Graduação em Educação Especial: Inclusão na Educação.

           Rosângela já atuou como Coordenadora Pedagógica dos Cursos de Extensão da UniRitter, Coordenadora Pedagógica de Inclusão e Supervisora da Educação Infantil e Ensino Fundamental da Escola Gustavo Schreiber, São Leopoldo.  Desde 2006 pertence a Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre como supervisora e alfabetizadora. Atualmente trabalha na Escola Municipal de Educação Especial, Escola Lygia Morrone Averbuck, atendendo alunos com Síndrome de Down, Deficiência Mental, cadeirantes e autistas.

           Férias de inverno para os alunos é sinônimo de Formação Continuada para os professores. A Secretaria Municipal de Educação organizou momentos para os docentes enfatizando os seguintes aspecto: a formação, a profissão, a avaliação e as competências que cabem ao profissional. Na Formação Continuada, os presentes, conheceram novas metodologias, práticas significativas e  teorias atuais, que buscam mudanças necessárias para a melhoria da ação pedagógica na escola e consequentemente da Educação. O primeiro momento teve como capacitadora, a Mestre em Educação, Rosângela Maria Garcia, natural de Nova Bréscia, com o tema “Estratégias de Aprendizagem”. O segundo momento abordou o tema “Ensino Religioso: da Legislação às Práticas Pedagógicas” ministrado por Janice Schmitt, professora com Especialização em Alfabetização Diferenciada e Ensino Religioso, natural de Cruzeiro do Sul.

          Na volta às aulas a Escola de Estefânia parou para agradecer a Deus o dom da vida. Para concretizar este momento, os alunos e as professoras, se deslocaram até a casa da ex-funcionária Neida prestando-lhe uma homenagem pela passagem de seu aniversário e pelos anos de vida dedicados a esta escola. “Obrigada Tia Neida por ter dedicado uma parte de sua vida por nossa escola.”

        Nas Escolas do Campo as hortas, sempre bem diversificadas e produtivas, há muito tempo estão colorindo a Alimentação Escolar das crianças da rede Municipal. Na EMEI Criança Feliz, a primeira parte da horta, está sendo construída com ajuda de uma equipe da secretaria de Obras.  A horta terá um formato circular, ainda não muito comum no nosso município, embora a idéia de fazê-las assim tenha mais de 30 anos. Ganhou atenção na década de 1970, com o movimento de permacultura, criado pelo ambientalista Bill Mollison, na Austrália. Ele preconizava outra forma de dispor as espécies vegetais, mais de acordo com o ecossistema, uma horta mandala. O termo mandala vem do sânscrito e significa "sagrado" ou "círculo mágico", concentração de energia. Universalmente a mandala é o símbolo da totalidade, da integração e da harmonia.Trata-se de uma horta de círculos concêntricos que respeitam a agricultura ecológica. Um dos seus princípios é: copie o desenho da natureza. Este modelo de horta economiza água, propicia o trabalho com uma maior diversidade de plantas, aproveita melhor o espaço, usa apenas fertilizantes orgânicos e consequentemente poupa o solo. A horta na EMEI será construída aos poucos, mas com certeza receberá muitas visitas dos pequenos cidadãos que por lá circulam.    

Please publish modules in offcanvas position.